fbpx

Deu confusão, de “Novo”

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Político mineiro não gosta de confusão, por isso, decide tudo e qualquer coisa antes das reuniões marcadas para decidir. 

O político mineiro é bom de conversa nos bastidores e só sobe no palanque depois de combinar os discursos que fará. Em algumas oportunidades, até mesmo com os adversários. 

O político mineiro não surpreende os pares, para poder, com segurança, surpreender o público e buscar, pela surpresa, a imagem de gente decidida. 

Por ter essa personalidade, os políticos mineiros ocuparam a vice-presidência de quase todos os presidentes militares. José Maria Alckmin foi Vice-Presidente de Castelo Branco. Pedro Aleixo, de Costa e Silva e Aureliano Chaves de Figueiredo. Pedro Aleixo, quando escanteado pelo triunvirato soberbo, ficou em silêncio até a morte e Tancredo conduziu, com segurança e nos bastidores, a travessia do mar vermelho de sangue. 

Mas, a polarização das campanhas presidenciais tirou do sério até os mineiros. Em Minas Gerais, o governador Romeu Zema, um quadro do Partido Novo, aprontou confusão. 

Primeiro, em casa e depois na casa dos outros. Em casa, por causa da aliança que fez com o Partido Progressista, que, a nível nacional tem uma história confusa e apoia a reeleição de Jair Bolsonaro. João Amoedo e a vereadora Cris Monteiro, de São Paulo, gritaram. O Boletim da Liberdade noticiou. 

Na casa do Partido Cidadania e do PSDB, Romeu Zema também criou confusão, quando sugeriu que o jornalista Eduardo Costa assinasse a ficha de filiação no Cidadania para ser candidato a vice na chapa dele. 

O Cidadania acertou com o PSDB e Eduardo Costa pulou fora. Romeu Zema tentou acalmar os ânimos. 

Aos trancos o partido Novo segue amadurecendo, por ser formado com gente de fora da política tradicional, que, com convicção e boa-fé, vê nos políticos algo inescrupuloso e longe do povo. 

Mas, devagar a turma percebe que ideologias e boa vontade sem poder são peças de oratória e poesia. 

Sabe-se, no mundo democrático, que as alianças acontecem para que os governos funcionem, depois que os partidos, na disputa eleitoral, demonstram ter tamanho nos parlamentos para impor ou travar o trabalho do Executivo. Firma-se o respeito pela representação das minorias nos votos votados. 

A novidade está nas composições de quem disputa o Poder Executivo, antes mesmo do pronunciamento dos eleitores. Daí, quando chega o tempo de compor os governos, as alianças eleitorais ficam para trás e se transformam no jogo de chantagens que se tem conhecimento. 

O partido Novo pode construir um modelo diferente de composições, no lugar de, exclusivamente, abominá-las. Pode levar os filiados que chegaram ao poder à compreensão de que as alianças fazem sentido para governar e não para vencer eleições. Quando se faz alianças antes do pronunciamento das urnas, corre-se o risco de comprar gato por lebre. 

Mais Publicações

Cometário rápido

A DEMOCRACIA E O GOLPE. 

Carnaval de 2024.  O último capítulo do livro “Sexta-feira, 13 – os últimos dias do governo João Goulart”, o autor Abelardo Jurema, Ministro da Justiça

Livros

“Sexta-Feira, 13…”

14 de fevereiro de 2024.  “Passado o episódio do Estado de Sítio, parecia que o Presidente João Goulart iria nortear o seu Governo mais para

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.