Publicado em Deixe um comentário

Entre o querer ser e o crer que se é, vai a distância entre o sublime e o ridículo

Entre o querer ser e o crer que se é, vai a distância entre o sublime e o ridículo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *