fbpx

Não me engane, eu não gosto

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

 

Da França chega mais uma lição para quem deseje fazer política num mundo sem privacidade, sem paciência e onde a velocidade das comunicações estreita imagem e realidade numa velocidade incrível.

François Fillon é candidato à presidência da França, pelo partido Les Républicains. Ele começou a campanha com muita antecedência, em 2013. Em abril, chegou a ser o favorito, com a bandeira de eliminar meio milhão de empregos no setor público, para aliviar o peso do Estado nos ombros dos contribuintes. A mensagem era de alguém disposto a acabar com o apadrinhamento político como variável de custos no setor público. O Instituto Elabe apontou Fillon com 30% dos votos no primeiro turno.

Mas… descobriu-se que a esposa dele e os filhos vinham sendo favorecidos pelo fato que ele condena. Não deu outra. Fillon perdeu a condição de favorito, está sendo investigado por apadrinhar esposa e filhos e a candidatura entrou em espiral de baixa. Na segunda-feira passada, dia 30, o mesmo instituto de pesquisa ouvido antes, deu a Fillon 20% dos votos com possível derrota no primeiro turno. Os outros dois candidatos competitivos, Marine Le Pen e Macron apresentam, respectivamente, 27% e 23% de preferência dos eleitores.

Não há nada no mundo todo, um fato, que irrite e decepcione mais eleitores, do que a descoberta de imagens altamente positivas, que não condizem com uma realidade altamente negativa. E isso não é de hoje. Por aqui, já derrubou presidentes e governadores.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Uncategorized

O SANTO É DE BARRO.

Calma com o andor, porque o santo é de barro.  O Prefeito Eduardo Paes convidou o escritor Ruy Castro para uma das reuniões com os

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.