fbpx

Os caçadores de ratos e de marajás. 

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

16.12.2023. 

O Senador Sérgio Moro rebolou para explicar as imagens do abraço efusivo que deu no colega Flávio, o Dino e a alegria com que fez isso. Ele não precisava explicar, pois “Inês é morta”. Os eleitores e admiradores dele já entenderam que ele é, e do que é capaz. 

Sérgio Moro tornou-se o símbolo do combate à corrupção, num momento em que isso teve algum significado para o povo brasileiro, assim como teve, no rol das profissões, a de caçador de ratos. Sim, houve um tempo em que eles faziam sucesso com as donas de casa. Atualmente, o povo brasileiro convive bem com os roedores, aceita que eles passem entre as suas pernas e até os visitam em seus esconderijos. Mas, no momento em que os ratos foram abominados e causavam asco, Sérgio Moro tornou-se um dos caçadores mais talentosos. 

O talento deu fama ao juiz e a fama antecedeu-lhe a vaidade. O cara ficou pimpão! Achou-se com autoridade para colocar o dedo na cara de qualquer um, fazer troça, sentenciar, prender e até torturar tendo os processos como meros detalhes. Ele ficou tão confiante que largou o ofício em busca de outro que lhe desse mais fama e mais prestígio. Foi ser ministro. 

Ele justificou o ato com uma cutucada no coração do povo, que a tudo estava disposto para combater os ratos. Afinal, aos olhos do povo, o juiz tinha duas qualidades essenciais para “emendar os latrocínios: o saber, para os apanhar, e o poder para os emendar”( Carta de um Anônimo a Dom Teodósio, príncipe de Portugal, exposta no livro A Arte de Furtar, obra que chegou às minhas mãos em 2005, com o prefácio de João Ubaldo, o imortal corajoso que em vida questionou-nos a todos: “Somos todos ladrões?”). Tanto o livro, como o artigo em separado merecem leitura. 

A soma de atitudes do juiz fez o povo sentir-se enganado. A empáfia do herói derreteu o enredo. O “caçador de ratos” tomou o rumo do “caçador de Marajás” na história. Tudo por vaidade. No fim das contas, os marajás continuam por aí e os ratos também. Uns e outros perderam o medo e partiram para cima dos seus caçadores.  

Flávio, o Dino, foi juiz; Sérgio Moro também. Flávio, o Dino, é senador. Sérgio Moro chegou lá. Sérgio Moro foi Ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio, o Dino, o é. Sérgio Moro quis ser membro do Supremo Tribunal Federal. Não conseguiu. Flávio, o Dino, sentará na cadeira em fevereiro. Flávio, o Dino preservou quem poderia colocá-lo lá. Sérgio Moro ajudou a destruir quem poderia fazer o mesmo por ele. 

Já que estamos a falar sobre vaidades, busquemos a ajuda do Pregador, autor de Eclesiastes. Ele ensina: “Quando o tolo vai pelo caminho, falta-lhe o entendimento; e assim, a todos mostra que é estúpido…Quem abre uma cova nela cairá…”. (Eclesiastes 10). 

Vocês têm notícia do caçador de Marajás? E do caçador de ratos? Eu soube que estão ambos no Senado Federal. É fato ou é fake? 

Mais Publicações

Cometário rápido

A DEMOCRACIA E O GOLPE. 

Carnaval de 2024.  O último capítulo do livro “Sexta-feira, 13 – os últimos dias do governo João Goulart”, o autor Abelardo Jurema, Ministro da Justiça

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.