fbpx

O político pode morrer pela boca

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Nem tudo que você diz ou escreve será compreendido do mesmo jeito por quem ouve ou lê. Ou dito de outro modo: a comunicação não é, exatamente, o que alguém exprime, mas o que outro alguém entende. A imprensa brasileira usa isso com maestria na palavra “suposto”. Busque-a no Google e você encontrará uma enxurrada de matérias e reportagens.

Eis algumas:

  • “Suposto serial killer enfrenta primeiro júri popular”, Globo.com, de 15 de fevereiro.
  • “Suporto serial killer é condenado a 20 anos de prisão”, Jornal A Tarde, de 16 de fevereiro. (A próxima notícia sobre assunto, certamente, será: “o suporto preso…”).
  • “Chefe de polícia da Colômbia renuncia por suposto envolvimento com prostituição masculina”, Jornal Extra, de 17 de fevereiro.

Quem recebe a notícia, imediatamente, assume que o fulano qualquer é um criminoso, mas ele não terá o argumento infalível para denunciar quem atribuiu a ele o “suposto” crime. Afinal, suposto é uma hipótese, não uma afirmação concreta.

Pra qualquer lado que você olhar, qualquer que seja o dia e a hora, no noticiário você encontrará o famoso “suposto” crime de lavagem de dinheiro, o “suposto” triplex e o “suposto” sítio em Atibaia. Qualquer dia, um repórter escorrega e sapecará lá: “o suposto Lula, supostamente casado com a suposta Marisa…”.

Mas, o costume da imprensa me serve aqui tão somente para demonstrar que, quem lida com as palavras – caso dos políticos –, deve ter muita atenção com elas. Afinal, podem estar a falar ou escrever uma coisa, que será entendida como outra.

Vez em quando, um deles, morre pela boca, porque fala palavras com um sentido, que o eleitor, o povo, entende com outro. Até hoje, o ex-presidente FHC deve ter péssimas referências da palavra “vagabundo”. O “cheio do cavalo” persegue a memória do ex-presidente João Figueiredo. Marta Suplicy ficou com o “relaxa e goza” e o Paulo Maluf com “estupra, mas não mata”. Luiz Paulo Conde, ex-prefeito do Rio ficou marcado com o “eu minto menos que o César Maia”. Em Santa Cruz, num evento que eu estava presente, ele sapecou: “criança é que nem o lixo, a gente não pode deixar na rua”.

Mas, eles todos e quem mais quiser se candidatar ao posto dos políticos falantes e errantes, passaram a dormir mais tranquilos quando no cenário nacional surgiu a economista de quatro costados, senhora Dilma Rousseff. Na raia dos que falam uma coisa, para dizerem outra, a Dilma corre soberana. As frases são tantas que formaram um conjunto, que o  jornal O Globo publicou, há tempos. Escolheu as dez mais significativas. Separei quatro. Mas, quem quiser as outras e muito mais pode se aventurar e comprar o livro do Celso Arnaldo Araújo, “Dilmês. O idioma da mulher Sapiens”. E, se tudo isso não servir suficientemente, vá ao canal da VEJA no Youtube e ouça o Reinaldo Azevedo.

A CULPA É DA MOSQUITA

“É a ‘mosquita’ que põe em média 400 ovos. Se você considerar que a ‘mosquita’ transmite também (o vírus), que é ela que pica, que ela que provoca a contaminação das pessoas. Portanto, se for uma moça grávida, o que acontece? Há um grande risco de a criança, se isso ocorrer nas primeiras semanas de gestação, ter microcefalia”.

ORANGOTANGO NÃO FAZ FOFOCA

“Nele (no livro), ele diz que nós criamos vínculos sociais e uma das coisas que mais nos une é a fofoca. Uma coisa que nos distingue, que chimpanzé não faz. Orangotango não faz.”

DOBRANDO A META

“Não vamos colocar uma meta. Vamos deixar em aberto. Quando a gente atingir uma meta a gente dobra a meta”.

A MANDIOCA

“Nós temos a mandioca, nós estamos comungando a mandioca com o milho. E certamente nós teremos uma série de outros produtos que foram essenciais para o desenvolvimento da civilização humana ao longo do século. Então, estou saudando a mandioca, uma das maiores conquistas do Brasil.”

OS BODES

“Então, é para que o bode sobreviva que nós vamos ter de fazer também um Plano Safra que atenda os bodes, que são importantíssimos e fazem parte de toda tradição produtiva de muitas das regiões dos pequenos municípios aqui do estado”.

Está dado o recado.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Clipping

Não há democracia a defender.

Fico irritado, toda vez que ouço os agentes do Estado Brasileiro dizerem que tomam decisões em defesa da democracia. Sejam eles nomeados por concurso ou

Uncategorized

O baralho Brasil.

O coelho entra e anuncia:“Sua Graça!”“Sua Excelência!”“Sua Real Majestade!”“A Rainha de Copas!…”. E, com certo desprezo:“E o rei! “ A Rainha, então, reclama:“Quem pintou as

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.