fbpx

Um bandido? Um estúpido? Um vulnerável?

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

É cedo ainda para você decidir, assim de pronto, a quem você dará o voto para presidir o Brasil, governar o estado onde você mora ou representá-lo na Assembleia Legislativa, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. 

Contudo, mesmo que você já tenha escolhido, sugiro que reavalie a escolha que fez a partir dos conceitos que eu encontrei num livrinho muito legal, que eu qualifiquei pelo diminutivo só por ter poucas páginas. O conteúdo dele, se consumido devagar, com a imaginação solta, caberia numa enciclopédia. 

Carlo Cipolla, historiador da economia italiana e professor, como quase sempre são os historiadores, escreveu “As leis fundamentais da estupidez humana”, uma obra que pode nos ajudar a definir o voto e para isso, proponho que você faça um desenho desses que se usava na alfabetização de crianças, onde, de um lado da folha se terá os rostos dos candidatos e do outro as qualificações. Com uma linha, você poderá unir a personalidade ao rosto e decidir. 

Carlo Cipolla classifica os seres humanos em quatro categorias, que ele diz, básicas: o inteligente, o vulnerável, o bandido e o estúpido. E ilustra, na relação entre dois personagens, Tom e Dick. 

  1. Se Tom empreende uma ação para obter uma vantagem e produz uma vantagem também para Dick, Tom é uma pessoa inteligente. 
  2. Se Tom faz algo que lhe dá vantagem e provoca uma perda para Dick, Tom é um bandido.
  3. Se Tom ao agir, perder alguma coisa, mas produzir ganhos para Dick, Tom será alguém vulnerável. 
  4. Se Tom age e ao agir provoca perdas para Dick e para ele mesmo, aí teremos o Tom estúpido. 

De pronto, logo que li a classificação de Cipolla, percebi que no Brasil, há eleitores vulneráveis, aqueles que garantem vantagens aos eleitos e uma perda enorme para si mesmos. Isso, quando votam e quando não votam, porque por aqui o “não voto” é jogado fora e valoriza a decisão do eleitor que preferiu votar. Temos, aqui, mais um exemplo de estupidez. 

Liste, sugiro, os candidatos que você conhece, mesmo que você já tenha tomado a sua decisão. Do outro lado, coloque a classificação oferecida pelo Carlo Cipolla e como acontecia nas aulas de alfabetização de crianças, com uma linha ou traço, um personagem e personalidade. Pode ser um exercício interessante. 

Quem serão os candidatos estúpidos? Os bandidos? Os vulneráveis? Os inteligentes? Feitas as relações, faça a sua escolha. E se você, porventura, ficar na dúvida entre os candidatos estúpidos e bandidos, consulte a quinta lei de Carlo Cipolla:

“Uma pessoa estúpida é o tipo mais perigoso de pessoa, por isso, uma pessoa estúpida é mais perigosa do que um bandido”. 

Encerro com um complemento. Quando você escolhe um estúpido só para ter vantagem para você mesmo, você estará, segundo Cipolla, agindo como bandido. E se você escolher um bandido, para dar vantagem a ele sem levar vantagem alguma, agirá como um estúpido. Eu ainda acredito na inteligência. 

Boa semana para todos. E por falar em boa semana, não custa dizer que os estúpidos farão da semana uma perda pra si e para os outros e os inteligentes, um benefício para si e para todos os demais. 

*Artigo publicado no Boletim da Liberdade.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Clipping

Não há democracia a defender.

Fico irritado, toda vez que ouço os agentes do Estado Brasileiro dizerem que tomam decisões em defesa da democracia. Sejam eles nomeados por concurso ou

Uncategorized

O baralho Brasil.

O coelho entra e anuncia:“Sua Graça!”“Sua Excelência!”“Sua Real Majestade!”“A Rainha de Copas!…”. E, com certo desprezo:“E o rei! “ A Rainha, então, reclama:“Quem pintou as

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.