fbpx

Uma nota que denota constrangimento. 

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Uma boa notícia não precisa ser anunciada com constrangimento, como fez o Partido Novo quando comunicou a decisão de utilizar os rendimentos do Fundo Partidário. A deliberação do partido indica que seus dirigentes reconheceram, finalmente, que os partidos, nas eleições, disputam um lugar no poder para que o que pregam não seja mera poesia ou carta de intenções. 

Ora, o povo brasileiro decidiu financiar os partidos e as campanhas eleitorais com o dinheiro dos impostos. Está na lei. Há quem defenda a ignorância do eleitor sobre o fato. Não sou desses. Mas, se a decisão do povo é consciente ou não, o próprio Partido Novo pode dizer pelos resultados eleitorais obtidos por seus candidatos quando levam para as ruas o discurso de purificação do modelo pelo uso exclusivo do dinheiro privado. 

Quando o Partido Novo, com os princípios que defende para a gestão do dinheiro do povo, entra no ambiente de uso do recurso para o financiamento do partido e das campanhas, certamente, a população perceberá que, de fato, há um problema quando os partidos usam o dinheiro dela: o modo como usam. Tenho certeza, que o Partido Novo, no modo como usará o dinheiro que o povo disponibiliza para os partidos e campanhas, demonstrará, pela diferença de comportamento, que o problema não está no financiar, mas na transparência sobre o que é financiado e com quais objetivos. 

Ora, para que haja democracia, há que existirem eleições e elas são disputas no campo da comunicação convincente, algo que não se faz sem recursos. Então, alguém precisa disponibilizar esses recursos e se sabe, ao cansaço, que aqui e na mais festejada democracia do mundo, a americana, quem financia as campanhas exerce o poder conquistado através delas. Não é melhor que o povo cumpra esse papel? Eu, por isso, dispenso o constrangimento presente na comunicação que fez o Partido Novo. Há motivo para se festejar. 

Mais Publicações

Cometário rápido

A DEMOCRACIA E O GOLPE. 

Carnaval de 2024.  O último capítulo do livro “Sexta-feira, 13 – os últimos dias do governo João Goulart”, o autor Abelardo Jurema, Ministro da Justiça

Livros

“Sexta-Feira, 13…”

14 de fevereiro de 2024.  “Passado o episódio do Estado de Sítio, parecia que o Presidente João Goulart iria nortear o seu Governo mais para

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.